24.9 C
Piçarras
sábado 13 de abril de 2024


Setor imobiliário avalia positivamente aval da ANTAQ por Porto Park Piçarras

“Nesse tipo de oportunidade quem entra primeiro, normalmente, consegue as maiores taxas de retorno sobre o investimento”

Ouça a Matéria

O setor imobiliário de Balneário Piçarras reagiu positivamente à recente notícia da aprovação do pedido de concessão de outorga marítima para construção do projeto Porto Park Piçarras – pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ). Na visão dos profissionais da área, a proposta deve consolidar o município na vertente do turismo náutico.

LEIA TAMBÉM
ANTAQ concede outorga para empresa avançar com processo do Porto Park Piçarras

Projeto prevê a construção de 360 metros de um píer ao final do Molhe Turístico Joaquim Pires

“Acredito que esse será a grande vocação de Balneário Piçarras, assim como a imagem de Penha está associada à do Parque Beto Carrero, com o setor náutico sendo o grande propulsor do crescimento do município”, avalia o corretor de imóveis e especialista em mercado imobiliário na região do Litoral Norte, Ricardo Cubas.

“Acredito que esse será a grande vocação de Balneário Piçarras, assim como a imagem de Penha está associada à do Parque Beto Carrero, com o setor náutico sendo o grande propulsor do crescimento do município”

RICARDO CUBAS

A autorização foi concedida à empresa Flomar Transportes Marítimos, que encabeça o projeto direcionado ao fomento econômico e turístico. “O projeto já é por si só fantástico. A concessão de outorga para projetos imobiliários como o Porto Park Piçarras vai trazer um aumento na atividade econômica local, mais investimentos e aumento no fluxo de turistas. E como consequência a valorização imobiliária local”, acrescenta Ricardo.

O aval da ANTAQ permite que a empresa avance burocraticamente nas questões de implantação da estrutura – cujo projeto prevê a construção de 360 metros de um píer ao final do Molhe Turístico Joaquim Pires, na barra Sul de Balneário Piçarras. Apesar de o caminho ainda ser longo, o avanço aponta para um cenário de bons investimentos imobiliários.

“Investir em um projeto de longo prazo no setor imobiliário associado a uma nova atração, como o Porto Park, pode oferecer oportunidades significativas

RICARDO CUBAS

“Investir em um projeto de longo prazo no setor imobiliário associado a uma nova atração, como o Porto Park, pode oferecer oportunidades significativas. Nesse tipo de oportunidade quem entra primeiro, normalmente, consegue as maiores taxas de retorno sobre o investimento”, avalia Ricardo.

O arquiteto e urbanista idealizador do projeto, Renato Kfuri, define o ‘filho’ como “um empreendimento inovador na América Latina, abrigando um porto com alfândega para receber navios de cruzeiro internacionais, uma ampla área de entretenimento com a mais moderna infraestrutura de diversões e um setor comercial com lojas, bares e restaurantes exclusivos. Este verdadeiro Complexo Turístico será a âncora do desenvolvimento regional, colocando Balneário Piçarras definitivamente no mapa do turismo nacional e internacional”.

Oficialmente chamado por Instalação Portuária para o Turismo no Brasil (IPTUR), o píer terá ainda 40 metros de largura para receber lojas, gastronomia, parque de diversão, vagas molhadas para embarcações e uma plataforma de embarque e desembarque para transporte marítimo intermunicipal e de recepção para passageiros de cruzeiros.

Com previsão de investimentos na ordem de R$ 210 milhões – financiados por investidores – o projeto avais permissos como Licença Ambiental Prévia concedida pelo Instituto do Meio Ambiente (IMA).  “O grande diferencial é com toda certeza ter uma atração. Vamos partir para um lado muito mais turístico. […] Vai beneficiar a região toda, não só Balneário Piçarras. O estado todo ganha com esse projeto”, finalizou Kfuri.

Conforme a Resolução Normativa (RN) 71/2022– que rege a autorização e construção de Terminais de Uso Privado (TUP) e de instalações portuárias – a autorização terá o prazo de até 25 anos, prorrogável por períodos sucessivos, desde que a atividade portuária seja mantida e, na forma das diretrizes do Poder Concedente, o autorizatário promova os investimentos necessários para a expansão e a modernização das instalações portuárias.

Confira também
as seguintes matérias recomendads para você