24 C
Piçarras
quinta-feira 18 de abril de 2024


Nataly Dunka mantém o sonho e avança para o basquetebol universitário nos EUA

Ouça a Matéria

Em agosto de 2017, Nataly Dunka deixava Balneário Piçarras com muitos sonhos, medos e uma bolsa de estudos, de iniciais quatro anos, nos Estados Unidos.  Além de estudar, jogaria basquetebol pela escola Wasatch Academy, da cidade de Mount Pleasant, no estado de Utah. O tempo passou. Sua dedicação e talento conquistaram as quadras acadêmicas norte-americanas, que lhe deram a chance de continuar a galgar o sonho do profissionalismo através do popular basquetebol universitário.

“Agora jogarei pela University of the Pacific, na Califórnia, onde farei faculdade e jogarei pela universidade”, detalhou Nataly, que deixou o litoral catarinense aos 16 anos. Nataly faz parte de um seleto grupo de estudantes atletas que consegue da high school para a universidade – de onde os grandes clubes do mundo buscam talentos para formação de atletas. A história inspiradora foi contada no último dia 24, durante uma passagem de Nataly pelo Brasil para regularização documental.

Prestes a completar 20 anos, ela conversou com jovens atletas das escolinhas de base da Secretaria de Esportes e Lazer de Balneário Piçarras – a convite do treinador Oswaldo Moreira da Silva Junior, mentor da atleta. Detalhou seus primeiros arremessos nas improvisadas tabelas até sua atual rotina nos Estados Unidos. O basquete é vivido em plenitude. “Eu odiava basquete. Mas, o professor Oswaldo insistiu muito em mim”, contou Nataly, revelando o lado intenso e peculiar do educador físico, conhecido. Ela começou a jogar aos 12 anos.

“Sempre vi muito potencial na Nataly. Era uma menina alta e com muita desenvoltura para o esporte, uma característica bastante peculiar da sua família. Ela evoluiu de forma muito intensa e sempre esteve em equipes com idades acima da sua – inclusive chegando à seleção catarinense. Esse é o foco do esporte: formar bons cidadãos”, complementou Oswaldo, que foi um dos articuladores de sua ida ao país do basquetebol. “Não tenho dúvidas que ela terá um futuro ainda mais promissor no esporte”, reforçou.

Durante a conversa de Nataly com a equipe de base do basquetebol piçarrense – que voltou a ser lapidada este ano – Oswaldo enalteceu a importância de situações como estudo e disciplina esportiva para o crescimento pessoal. “Eu vejo muito potencial em vocês. Mas é precisa dedicação. O basquete proporcionou isso à Nataly e também pode fazer por vocês”, encerrou o treinador.

ABRE ASPAS  –  Nataly  Dunka

JC – Passados quatro anos desde sua ida, por quais instituições já atuou?

Nataly: Fiz High School na Wasatch Academy, onde me formei esse ano, em maio, dia 15. Durante esse período na Wasatch, joguei por um time do EYBL (Circuito de basquete da Nike), chamado Colorado Premier. Esse time me deu a oportunidade de jogar em frente a inúmeros técnicos de universidades.

JC – Agora, vai atuar e jogar por qual academia?

Nataly: Agora jogarei pela University of the Pacific, na Califórnia, onde farei faculdade e jogarei pela universidade.

JC – Depois de quatro anos, como você se observa como jogadora? Sua técnica, seu estilo…

Nataly: Creio que cresci bastante como jogadora. Tive várias oportunidades e várias experiências, assim como ser jogadora de um ex-atleta da NBA. Tenho muito a aprender e nesse lugar que estou me vejo crescendo ainda mais como jogadora. O nível aqui é muito forte, fora e dentro de quadra. Quero me puxar o máximo para que seja a melhor no que eu faço.

JC – Como você observa seu futuro na modalidade? O sonho em uma WNBA é algo que circula seus pensamentos…

Nataly: Quero com certeza continuar com o basquete logo após a faculdade. Tenho sonho de jogar na Europa e vou dar o meu máximo para que isso aconteça. Mas jogar na WNBA com certeza está na mente – e, só depende de mim e do meu rendimento pra que eu possa realizar.

JC – Qual mensagem pode transmitir a jovens atletas que aspiram crescer nas modalidades?

Nataly: Eu venho de família muito simples e sempre usei isso como motivação, quero e sempre quis ajudar os meus pais. Dar oportunidades de conhecer novos lugares e conhecer um pouco da minha vida fora. Eu uso meu tempo de descanso para treinar ainda mais, pois sei que o meu crescimento só depende da minha dedicação e disciplina. Por isso, só posso dizer para que nunca desistam e se dediquem com intensidade.

Confira também
as seguintes matérias recomendads para você