20.4 C
Piçarras
quinta-feira 23 de maio de 2024


Paratleta piçarrense Marcelo Pocidonia é bicampeão brasileiro do salto em altura

“Foi uma prova bem disputada. Querendo ou não, aqui só entram os melhores do Brasil e o sentimento que eu tenho é de missão cumprida”

Ouça a Matéria

O paratleta piçarrense (atleta com deficiência visual), Marcelo Pocidonia, o Tem Tem, conquistou nesta quinta-feira, 15, a medalha de ouro no salto em altura (categoria T11) no Campeonato Brasileiro Loterias Caixa de Atletismo, disputado São Paulo. O atleta fez a prova em campo, com chuvas fortes, e atingiu a marca de 1,20m – repetindo o feito de 2019 , sagrando-se bicampeão nacional.

LEIA TAMBÉM: Marcelo Pocidonia recebe título de cidadão honorário de Balneário Piçarras

“Foi uma prova bem disputada. Querendo ou não, aqui só entram os melhores do Brasil e o sentimento que eu tenho é de missão cumprida, já que a gente está iniciando o paradesporto em Balneário Piçarras. Então, nada mais justo do que levar esse título pra Balneário Piçarras e elevar cada vez mais o trabalho desenvolvido aí pela Secretaria de Esporte”, disse Marcelo, ao Jornal do Comércio.

“Mas, graças a Deus, a gente veio pra cá focado bem treinado e graças a Deus conseguimos alcançar aí lugar mais alto do pódio e se tornar bicampeão brasileiro no salto em altura levando mais um título pra Balneário Piçarras”

Entrevista de Marcelo ao Jornal do Comércio

Treinado por Sidney Reinhold, Marcelo definiu a nova conquista como uma “sensação de uma alegria enorme. Se tornar bicampeão brasileiro em salto em altura a gente sabe que não é fácil, a gente treina, se dedica – assim como eu fui campeão poderia ter ficado em segundo lugar. Mas, graças a Deus, a gente veio pra cá focado bem treinado e graças a Deus conseguimos alcançar aí lugar mais alto do pódio e se tornar bicampeão brasileiro no salto em altura levando mais um título pra Balneário Piçarras”.

Mais dois paratletas de Balneário Piçarras vão participar da competição que segue até domingo, 18: Márcio Paz, que vai competir na categoria T42, para amputados de membros inferiores e Paulo Guerra, na categoria T47, para amputados de membros superiores. Ambos também são paratletas da modalidade de salto em altura, treinados pelo professor Sidney.

Primeiro título nacional foi em 2019

O paratletismo está incluso na carta de atividades desenvolvidas pela Secretaria de Esporte e Lazer de Balneário Piçarras (Semel). Para o secretário, Bira Junior, essa conquista é um incentivo para que novos talentos sejam lapidados: “Marcelo é um dos pioneiros. Agora a gente conseguiu trazer ele para representar o nosso município, antes ele representava outros municípios. Mas, isso vem demonstrar e servir como exemplo da importância da atividade física e do esporte dentro do paradesporto. Com esse intuito, a gente trouxe o Sidney para tocar esse projeto e para ver se a gente consegue galgar outros Marcelos no nosso município, que com certeza há e existir, para que a gente possa ainda ampliar e melhorar a qualidade de vida dos nossos paratletas, as nossas crianças com algum tipo de deficiência”.

“Isso vem demonstrar e servir como exemplo da importância da atividade física e do esporte dentro do paradesporto”

O paratleta Marcelo é um dos beneficiados do bolsa-atleta, programa da Secretaria de Esporte e Lazer (Semel) que visa apoiar os representantes do esporte de Balneário Piçarras. Ao todo, 85 atletas do município se qualificaram para receber benefícios entre R$ 300 e R$ 800. O apoio financeiro, técnico e material é concedido para atletas não profissionais, paratletas e guias.

CURRÍCULO DE MARCELO

Marcelo possui treze títulos catarinenses (pentacampeão no lançamento de disco, pentacampeão no arremesso de peso e tricampeão no lançamento de dardo), cinco títulos paulista e um campeonato brasileiro, sendo o atleta com maior número de títulos na história do esporte da cidade de Balneário Piçarras. Esse ano, já foi prata em uma das etapas do Brasileiro.

A história de vida de Marcelo o levou à prática esportiva especial, requerendo uma dedicação acima da média. No ano de 91 para 92, perdeu a visão devido a um acidente de trabalho: estava pintando um prédio e acidentalmente caiu cal de pintura em seus olhos, descolando suas retinas. A visão nunca mais foi recuperada.

Confira também
as seguintes matérias recomendads para você