28.4 C
Piçarras
sexta-feira 1 de março de 2024


Estado classifica Balneário Piçarras como cidade infestada pelo Aedes Aegypti

Ouça a Matéria

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (DIVE/SC) incluiu Balneário Piçarras na relação de municípios infestados pelo mosquito Aedes Aegypti – transmissor da dengue, febre de chikungunya e zika vírus. A inclusão foi confirmada no dia 9, quando a DIVE/SC divulgou o último boletim de 2019 sobre a situação do mosquito nos municípios catarinenses.

Essa classificação se deu em virtude de os agentes endêmicos também terem localizado, com frequência, focos do mosquito em residências situadas em um raio de 300 metros de armadilhas com larvas do Aedes. Em 2019, foram 267 focos encontrados, a sua grande maioria nos bairros do Centro, Nossa Senhora da Paz e Santo Antônio. A equipe do Programa de Combate à Dengue iniciou um trabalho estratégico.

“Estamos trabalhando com tratamento. Casa a casa, terreno por terreno para tirar o município dessa situação de infestado”, confirmou o agente responsável pelo Programa, André Ladewig. Contudo, o processo para que o município saia da relação de “infestados” é lento e sem plena garantia. “Isso requer um tempo. São quatro ciclos de dois meses de tratamento. Então, vai no mínimo oito meses”, completou.

Essa é a primeira vez que Balneário Piçarras é inclusa na categoria – apesar de ter um intenso programa de controle. Penha, por exemplo, foi incluída nesta categoria em abril de 2018 e nunca mais conseguiu estabilizar a situação, questão que para André, influenciou no aumento de focos na cidade.

Doze agentes vêm trabalhando no programa, que ganhou um reforço: através do Decreto Municipal 069/2019, os agentes podem notificar os proprietários de imóveis com risco de proliferação do Aedes (residências e lotes) para que, dentro de 24h, providenciem a limpeza. Caso o proprietário não proceda com a limpeza, a Secretaria de Obras vai realizar o serviço e proceder com a cobrança, que pode oscilar entre 7 UFM (Unidade Fiscal Municipal) até 13 UFM – de acordo com a metragem quadrada. Atualmente, a UFM vale R$ 110,00.

O Decreto também autoriza os agentes endêmicos do Programa de Combate à Dengue, da Secretaria de Saúde, a adentrarem em imóveis abandonados, quando o proprietário ou responsável legal não é localizado ou mesmo quando há recusa e a situação exige a fiscalização imediata dos profissionais. Em casos mais amenos, haverá notificação e prazo de 24h para abertura do imóvel, sob pena de ingresso compulsório.

PREVENÇÃO É O MELHOR REMÉDIO

“A água parada é a principal fonte para o surgimento das larvas do Aedes. Pedimos que à população, principalmente em suas residências, fiquem atentas a locais que possam reservar água”, solicitou André. Os locais mais comuns são pneus sem uso, latas, garrafas, pratos dos vasos de plantas, caixas d’água descobertas, calhas, piscinas e vasos sanitários sem uso. A fêmea do mosquito pode, também, depositar seus ovos nas paredes internas de bebedouros de animais e em ralos desativados, lajes e em plantas como as bromélias.

 

 

 

Foto por: Divulgação

Confira também
as seguintes matérias recomendads para você