30 C
Piçarras
domingo 3 de março de 2024


Cidasc libera draga para desassoreamento da Lagoa de Barra Velha

Ouça a Matéria

A Companhia Integrada de Desenvolvimento de Santa Catarina (Cidasc) liberou a draga de sua propriedade, que está na cidade de Tubarão, para executar o serviço de desassoreamento da lagoa de Barra Velha. Anunciou ainda que está redigindo o modelo de convênio entre a Cidasc e a Agência de Desenvolvimento Regional de Joinville (ADR-Joinville), que viabilizará o deslocamento do equipamento para o norte do Estado.

“A draga está sendo disponibilizada pela Cidasc pra ADR Joinville através de convênio, depois a ADR Joinville vai assinar convênio com a prefeitura cedendo a draga, os tubos e um container depósito”, explicou o vice-prefeito, Fabio Brugnago (PSD). “Assim que a documentação estiver pronta o município vai buscar o equipamento”, completou.

A princípio, o projeto prevê a retirada de sedimentos da lagoa numa extensão de 5,5 quilômetros, da praça Lauro Carneiro de Loyola até a foz (boca da barra) do Rio Itapocu. “Já temos a Licença Ambiental Prévia (LAP). A Licença Ambiental de Instalação (LAI) está sendo feita pela FUMDEMA”, detalhou o vice-prefeito.

O presidente da Fundema, Leandro Haupt, confirmou que também deve promover um estudo técnico da granulometria da areia a ser retirada da lagoa, sua qualidade e volume. “A intenção é verificar tecnicamente se essa areia poderá ser reutilizada na orla de Barra Velha, para promover um novo aterro hidráulico como o que o próprio prefeito Valter constituiu nos seus dois primeiros mandatos”, observa Leandro. Barra Velha sofre com problemas relacionados à erosão da orla nos últimos anos, mais acentuadamente nas praias de Itajuba (região da barrinha) e também na Praia do Grant.

A informação da vinda do equipamento foi antecipada pelo vereador Marcelo Nogaroli (PMDB), que participou no dia 12 de julho da vistoria final ao equipamento na cidade de Tubarão, juntamente com o prefeito Valter Zimmermann (DEM). “A draga será liberada com equipamentos internos, tubulação e até mesmo um contêiner-oficina para sua manutenção”, observa Marcelo Nogaroli.

Marcelo frisa que a grande vantagem da obra será a absoluta gratuidade do equipamento. “A draga é destinada pelo Estado, sem custos de locação; o Município arcará com custos de manutenção do serviço da dragagem, mas são valores muito inferiores a um investimento de compra ou locação de um equipamento desse porte”, observa.

REDAÇÃO, JORNAL DO COMÉRCIO
REDAÇÃO, JORNAL DO COMÉRCIO
Desde 1989 informando a comunidade. Edição impressa semanal sempre aos sábados.

Confira também
as seguintes matérias recomendads para você