24.5 C
Piçarras
sexta-feira 23 de fevereiro de 2024


Festa da Cultura Açoriana será em novembro, confirma município de Penha

Ouça a Matéria

Uma reunião envolvendo o Núcleo de Estudos Açorianos da Universidade Federal de Santa Catarina (NEA) e a Prefeitura de Penha sacramentou uma nova para a 26ª Festa da Cultura Açoriana (AÇOR). Previsto inicialmente para acontecer este mês, o evento foi transferido para os dias 22, 23 e 24 de novembro.

O AÇOR será realizado no terreno da Festa Nacional do Marisco – que será celebrada uma semana antes, mas ainda sem datas oficiais confirmadas pela Prefeitura. A mudança de datas foi justamente para aproveitar a estrutura já montada e também pensando em interagir com a programação da maior festa da cidade.

Um mês antes, dia 23, a organização promoverá o lançamento oficial do evento, na cidade – momento em que também serão entregues o Troféu Açorianidade aos vencedores das dez categorias. O escritor Cláudio Bersi de Souza receberá o Troféu Ilha Graciosa (historiador) e os Foliões do Divino receberão o troféu Ilha Terceira (grupo folclórico).

“Indicamos Claudio Bersi e os Foliões do Divino que ambos têm importância para a preservação da história e cultura local, e estamos felizes com este reconhecimento”, comentou o diretor de cultura de Penha, Eduardo Bajara. O principal prêmio da cultura açoriana em Santa Catarina é conferido anualmente a pessoas e instituições que zelam pela preservação e valorização dessa cultura.

A cada ano, a festa acontece numa cidade diferente, e em 2019, Penha a receberá pela segunda vez. Na programação do AÇOR acontecem apresentações culturais, exposições, gastronomia típica, palestras e oficinas, todas dedicadas a divulgar, discutir e promover a cultura açoriana.

OS PREMIADOS DE PENHA

Cláudio Bersi na historiografia local, como escritor, jornalista e romancista, autor de mais de 30 livros, entre biografias, pesquisas e romances, além do Hino de Penha e outras produções. “Bersi é referência na produção literária e de pesquisa local, com 33 obras publicadas e mais de mil artigos em revistas e jornais”, considera Bajara.

Já os foliões de Penha são os tocadores oficiais da Festa do Divino Espírito Santo. É uma agremiação musical religiosa e típica com 183 anos de existência, e com várias formações. Na edição da festa encerrada no último dia 10 de junho, inclusive, os foliões estrearam seu novo folião-mirim, o pequeno Igor, bisneto de um dos foliões que marcaram a trajetória da festa: João Maurício dos Santos.

Confira também
as seguintes matérias recomendads para você