33.4 C
Piçarras
sábado 24 de fevereiro de 2024


Rio Iriri volta a causar transtornos a pescadores de Penha

Ouça a Matéria

A boca da barra do Rio Iriri, em Penha, voltou a causar problemas aos pescadores que usam o leito para se lançarem ao oceano. No último dia 23, um vídeo circulou pela internet e mostrou uma embarcação quase virando enquanto tentava entrar no canal, logo após quase encalhar por conta do novo assoreamento da barra.

Após obras paliativas feitas pelo Governo Municipal em outubro de 2017 e setembro de 2018 – com a limpeza do fundo do canal utilizando uma retroescavadeira hidráulica – a situação voltou a se agravar, principalmente com as últimas ressacas que atingiram o litoral nos meses de maio e julho.

Em nota à reportagem, a Prefeitura de Penha afirmou que “uma obra paliativa pode ser feita ainda este ano, com recursos públicos municipais”. Contudo, um projeto mais complexo ainda tramita na fase de autorização ambiental. A Prefeitura afirmou que uma empresa de britagem possui uma compensação ambiental a ser feita na cidade.

Contudo, a empresa aguarda a autorização do Instituto do Meio Ambiente (IMA). “Essa compensação seria o desassoreamento do rio, embora a Baltt tenha feito duas propostas, a gente gostaria que fosse o rio, mas depende do IMA”, afirmou o Governo. Em paralelo, Aquiles da Costa (MDB) irá semana que vem a Brasília para articular recursos para a obra.

“O prefeito afirma que de 2020 o desassoreamento não passa, que é uma questão urgente para o município, devido ao fato de ser o principal escoador da cidade, e sua dragagem é necessária para prevenir alagamentos na cidade”, assegurou a nota do governo. O desassoreamento do rio faz parte do Plano de Macrodrenagem – anunciado em 2017.

Diversas obras emergenciais já foram realizadas no leito do Iriri, mas a solução definitiva estaria na ampliação dos molhes. A administração passada produziu um projeto executivo para recuperar o rio Iriri.  O projeto foi pautado na dragagem do rio, recuperação e também de prolongamento dos molhes. Foram gastos R$ 140 mil para produzir os estudos, idealizados pela empresa Alleanza. O projeto prevê um molhe de 104 metros e outro de 54 metros – este para o lado da praia.

 

Foto por: Reprodução

Confira também
as seguintes matérias recomendads para você