26.8 C
Piçarras
quarta-feira 28 de fevereiro de 2024


Espécies nativas da orla Norte são retiradas e catalogadas para replantio

Ouça a Matéria

As obras de ampliação da Avenida José Temístocles de Macedo, popular Beira-Mar, em Balneário Piçarras atingiu uma nova fase. Neste momento toda a Fauna e Flora nativa localizada no trecho estão sendo catalogadas e remanejadas para serem reaproveitadas. A retirada das espécies teve início na última semana e faz parte do Plano de Recuperação de Área Degradada elaborado para o local.

Todo o processo de catalogação, retirada, realocação e o replantio da flora está sendo realizado pelas empresas Cia do Verde e Acquaplan Tecnologia e Consultoria Ambiental, vencedoras do processo licitatório para o trabalho.

“As empresas estão localizando a flora nativa, retirando a espécie e armazenando em um espaço que garanta sua sobrevivência para que no fim da obra possa ser utilizadas para o reflorestamento das margens da nova avenida”, explica o presidente da Fundação do Meio Ambiente (Fundema), Marcos Zaleski.

Quanto a fauna, os materiais encontrados serão realocados sem que haja interferência para a espécie. “Eventuais ninhos, por exemplo, podem ser encontrados. Então será feita a retirada e realocação na restinga ao lado de forma que não afete a espécie”, pontuou Marcos. A Fundema está acompanhando todo o processo que deve ser finalizado em até trinta dias.

Obra protegerá a restinga delimitando área

O estudo ambiental realizado pelas empresas contratadas revelou que a obra auxiliará a proteção da restinga, estimulando sua função protetora da costa, demarcando uma faixa considerável de restinga, de 30 a 40 metros. “O modelo proposto garantirá a proteção e recuperação da restinga, através de uma delimitação física de vegetação com passarelas elevadas, além da remoção de espécies invasoras e reposição de mudas de restinga nativa nos trechos”, frisou o presidente da Fundema.

De toda a área compreendida pelo projeto, 58,48% possui área livre de vegetação nativa, ou seja, já são estradas, trilhas ou calçadas. O restante é dividido em espécies nativa (5,38%), vegetação herbácea (35,68%) e vegetação exótica (0,46%). O trecho de supressão de vegetação é de 18.612 m² e a área de recuperação de restinga previsto chega a 89.910 m². “Este será o maior projeto de recuperação de restinga da nossa cidade, sendo incorporado as ações já desenvolvidas pelo Programa Restinga Preservada, Nossa Praia Protegida.”, concluiu Marcos.

 

REDAÇÃO, JORNAL DO COMÉRCIO
REDAÇÃO, JORNAL DO COMÉRCIO
Desde 1989 informando a comunidade. Edição impressa semanal sempre aos sábados.

Confira também
as seguintes matérias recomendads para você