28.4 C
Piçarras
sexta-feira 23 de fevereiro de 2024


Prefeitura lança concorrência para obras de prolongamento da Avenida Beira Mar

Ouça a Matéria

A Prefeitura de Balneário Piçarras lançou a concorrência pública, pelo tipo de licitação menor preço, para contratação de empreiteira responsável pelas obras de prolongamento do setor norte da Avenida José Temístocles de Macedo, a Beira-Mar. Ao valor inicial de R$ 6.356.019,08, os envelopes com as propostas serão abertos às 9h, do dia 27, com transmissão ao vivo pelo YouTube – no canal “Prefeitura de Balneário Piçarras“.

De acordo com a Prefeitura, a abertura da avenida, neste primeiro momento, será até a Rua Canto do Sol. O projeto estipula pavimentação e urbanização do sistema viário em paver, vias de uso específicas para pedestres e ciclistas com ciclofaixa, passeios com acessibilidade em ambos os lados (sendo do lado oeste com paver e do lado leste em deck de madeira com mobiliário urbano), passarelas, nova iluminação com fiação subterrânea, drenagem pluvial com sistema de canaletas com grelhas de concreto e bolsões de estacionamento.

Em detalhes, a obra compreende uma largura total de treze metros, sendo 4 metros de passeio lado oeste, 3,5 metros de pista, 2,5 metros de ciclofaixa e 3 metros de passeio em deck do lado leste. Ao todo, o projeto traz em torno de 40 acessos à praia e 20 passarelas. “O prolongamento da beira-mar vem a fortalecer essa nova fase de desenvolvimento de Balneário Piçarras, ampliando o acesso ao nosso principal ponto turístico e oferecendo mais lazer e segurança para quem mora e visita nossa cidade”, analisou o prefeito Leonel Martins (PSDB).

A Prefeitura pontuou já possuir todas as licenças necessárias para iniciar a obra. Em um dos estudos, finalizados pela Fundação Municipal de Meio Ambiente (Fundema), de toda a área compreendida pelo projeto, 58,48% possui área livre de vegetação nativa, ou seja, já são estradas, trilhas ou calçadas. O restante é dividido em espécies nativa (5,38%), vegetação herbácea (35,68%) e vegetação exótica (0,46%). Como medida compensatória, para atendimento a legislação ambiental, em especial a Lei Mata Atlântica, será feita a Reposição Florestal e Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD).

O trecho de supressão de vegetação é de 18.612 m² e a área de recuperação de restinga chega a 89.910 m². “O trecho de recuperação de restinga previsto na licença ambiental é muito superior a degradação. Este será o maior projeto de recuperação de restinga da nossa cidade, sendo incorporado as ações já desenvolvidas pela Fundema no Programa Restinga Preservada, Nossa Praia Protegida.”, frisou o presidente da Fundema, Marcos Zaleski. A Fundação prevê ainda programas e ações de educação ambiental.

A infraestrutura pública a ser construída no local também vai delimitar a faixa de restinga, mantendo-a entre 30 a 40 metros de extensão em direção à praia. “A vegetação de Restinga desempenha uma função imprescindível para as nossas praias, pois realiza importante papel no equilíbrio da região costeira, servindo como um controlador da linha da praia, retendo a areia que é levada pelo vento e ondas”, frisou o presidente da Fundema, Marcos Zaleski,

Para a primeira etapa, os recursos serão provenientes de financiamento já aprovado junto ao Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), com contrapartida do município, através do Fundo de Manutenção da Praia (Fumpra).

 

Foto por: Felipe Bieging

Confira também
as seguintes matérias recomendads para você