33.4 C
Piçarras
sábado 24 de fevereiro de 2024


Ballet AECLA de Luiz Alves aborda questões sociais em novo espetáculo

Fotos, Bianca Mondini
Ouça a Matéria

Mais de duzentas bailarinas e bailarinos do Ballet AECLA subiram ao palco montado especialmente para a apresentação do espetáculo de final de ano no Ginásio de Esportes Frederico Guilherme Schwanke, no bairro Vila do Salto, nos últimos dias 01 e 02 de dezembro.

O tema deste ano, foi “Hairspray – Aceite as Diferenças”, uma história baseada na famosa peça da Broadway e no filme adaptado, o roteiro do espetáculo segue a proposta educacional do projeto Ballet AECLA, que promove inclusão, cidadania e fortalece e inspira crianças e adolescentes a se tornarem adultos conscientes e respeitosos. O enredo traz fortes lutas sociais e as obras originais fazem uma grande crítica ao racismo e à exaltação da estética mercadológica, os famosos “padrões de beleza”.

Ao longo de todo ano, professoras, alunos e alunas se dedicam para apresentar um lindo e emocionante espetáculo. Giovana Hostert, professora do projeto Ballet AECLA comenta “esse ano eu escolhi o tema Hairspray, que apesar de ser intitulado como uma comédia musical, faz uma crítica muito forte e muito importante em relação ao preconceito racial e a gordofobia”.

Durante as aulas do projeto Ballet AECLA, diversas situações que os próprios alunos já viveram vem à tona, como preconceito, bullying, entre outras coisas. Nessa questão, os profissionais já ficam atentos e tentam orientar as crianças e adolescentes sobre o tema.

O último espetáculo do Ballet AECLA, com tema “Divertidamente”, já trouxe algumas reflexões aos alunos e professores, pelo fato de abordar a saúde mental, os sentimentos e a reação que cada um tem ao encontrar situações adversas, e o espetáculo deste ano veio para somar e incentivar ainda mais as crianças e adolescentes ao amadurecimento emocional e conscientização das pessoas ao redor.

“Nós alcançamos o nosso objetivo abordando o tema, pois os relatos das pessoas, até hoje, ainda estão reverberando para nós, de como muitas pessoas se sentiram representadas, da importância dessa questão ser abordada com a sociedade”, comenta Giovana.

FORMANDO CIDADÃOS

O Ballet AECLA já está atuando há 12 anos em Luiz Alves. O trabalho já rendeu muitos frutos. Além de formar cidadãos mais conscientes, engajados e comprometidos, também está formando futuros profissionais da dança, como é o caso de Mariana Martini dos Santos, que iniciou no ballet aos 11 anos de idade e atualmente está cursando a graduação Dança na Universidade Regional de Blumenau – FURB. Mariana passou de aluna para estagiária e agora professora no projeto.

“Agora parte da minha missão é mostrar esse amor que cultivei pela dança desde meus primeiros anos de vida e a colocar como uma possibilidade profissional, pois muita gente tem medo, muitos pais, inclusive, têm medo, falam que só dança não é profissão, não dá futuro, e não consegue trabalhar com isso. E é mentira! Então eu quero conseguir mostrar isso, tanto para os meus alunos, quanto para a cidade, que é sim possível, que a cultura sim, faz diferença na vida das crianças. Eu com certeza sou uma pessoa muito diferente por ter passado pelo projeto. Eu acredito sim que quando temos acesso à cultura, seja a forma que for, a gente tem um olhar muito mais sensível para todas as áreas da nossa vida. E eu quero passar isso para as minhas alunas também. Eu quero que saiam muitos mais outros frutos do Ballet AECLA”, finaliza Mariana Martini dos Santos.

REDAÇÃO, JORNAL DO COMÉRCIO
REDAÇÃO, JORNAL DO COMÉRCIO
Desde 1989 informando a comunidade. Edição impressa semanal sempre aos sábados.

Confira também
as seguintes matérias recomendads para você