25.2 C
Piçarras
quinta-feira 29 de fevereiro de 2024


Balneário Piçarras e Penha somam 48 casos de dengue

Ouça a Matéria

Desde o início do ano, as cidades de Balneário Piçarras e Penha já somam 48 casos de dengue e mais de 1.400 focos larvários positivos de Aedes aegypti – responsável por transmitir a Dengue, Chikungunya e o Zika Virus. Todos os pacientes que contraíram a doença estão curados e os setores de Vigilância Epidemiológica esperam uma redução no número de casos, diante da chegada do inverno.

Dos 24 casos confirmados em Balneário Piçarras, 15 contraíram a doença na cidade – denotando que o mosquito contaminado está no território local. Já em Penha, são 17 pacientes que tiveram dengue após serem picados pelo mosquito dentro do território penhense. Tais situações obrigam os agentes endêmicos a promoverem uma varredura específica no raio de 300 metros de cada caso.

Enquanto Balneário Piçarras soma 723 focos, Penha contabiliza 689 – números muito acima dos aferidos ao longo de todo o ano passado. “Mas com a chegada do frio a tendência é diminuir os focos e consequentemente os casos”, acredita o agente responsável pelo Programa de Combate à Dengue, em Penha, Alexandre Deolindo. Já André Ladewig, agente do Programa de Balneário Piçarras, reforça ainda que pode existir diminuição “após as limpezas e fumacês que fizemos nas últimas semanas”.

O quarto óbito de dengue em Santa Catarina desse ano foi confirmado pela Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina, dia 3. O caso foi registrado no município de Camboriú. Um paciente, de 49 anos, morreu no dia 24 de maio em decorrência das complicações causadas pela doença. As outras três mortes de dengue do estado foram registradas em Joinville.

Para João Augusto Brancher Fuck, diretor da Vigilância Epidemiológica do Estado, a melhor estratégia de prevenção das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti continua sendo a eliminação de locais que possam acumular água. “É preciso ação conjunta. Do poder público e da população. O cenário do estado reforça que as medidas de prevenção são necessárias e fundamentais para evitar novos casos e até óbitos”, destaca.

Além disso, os serviços de saúde precisam estar atentos para a suspeição da doença. “O mosquito está presente em Santa Catarina. Então, é preciso estar atento às condições do município e aos sinais do paciente para suspeitar da doença e realizar o manejo clínico correto”, salienta João Augusto. Os sintomas da dengue são: febre, dor de cabeça, dores musculares e nas articulações, dor atrás dos olhos e manchas vermelhas na pele. Podem ocorrer também náuseas e vômitos.

Confira também
as seguintes matérias recomendads para você