24.3 C
Piçarras
domingo 25 de fevereiro de 2024


Luto: Balneário Piçarras perde Dona Alcina

Foto, Felipe Franco / JC
Ouça a Matéria

Faleceu nesta quarta-feira, 15, aos 98 anos, Alcina de Oliveira Figueredo, a Dona Alcina. O anúncio da partida foi feito por familiares através das redes sociais, detalhando que o velório ocorrerá no Centro Espírita Luz do Evangelho (Rua Maria Fermínia Ribeiro, Nossa Senhora da Paz, Balneário Piçarras), a partir das 14h. Às 18h, o corpo de Dona Alcina será levado para o Crematório de Itajaí.

“Hoje ela descansou. […] Mulher forte, mãe zelosa, avó sapeca. Passou a vida fazendo o bem, nesta cidade que escolheu para fazer sua morada aqui na terra e formar sua família…Ah, como ela amava Piçarras! Aqui lecionou, fez parte da vida pública e também as vezes de historiadora local”, descreveu a neta, Brisa Fleith, em longa homenagem.

Uma das primeiras professoras de Balneário Piçarras, também foi secretária de Educação, vereadora, fundadora do principal e maior Centro Espírita de Balneário Piçarras e fundadora da Associação de Aposentados e Pensionistas de Balneário Piçarras. Em janeiro de 2011, cedeu longa entrevista do Jornal do Comércio, que renderam oito páginas de muita história.

O Centro Espírita Luz do Evangelho também prestou homenagem à sua fundadora. “Hoje, nossa dama da luz foi encontrar os anjos e mentores da Espiritualidade, com os quais trabalhou por tanto anos em vida, irradiando a caridade. Vó Alcina foi uma grande mulher de bem e nos deixou o legado do amor, da bondade e da fé! Doou-se em todos os seus dias de vida, para a cura do próximo””Hoje, nossa dama da luz foi encontrar os anjos e mentores da Espiritualidade, com os quais trabalhou por tanto anos em vida, irradiando a caridade. Vó Alcina foi uma grande mulher de bem e nos deixou o legado do amor, da bondade e da fé! Doou-se em todos os seus dias de vida, para a cura do próximo”

“Sempre preocupada em registrar a história local, tornou-se a mais importante acervista da cidade, fonte obrigatória de pesquisa. Com uma memória prodigiosa, ela própria guarda lembranças que traçam um retrato da vida e da cultura local nas décadas passadas, um registro que é preciso fazer para garantir a preservação de uma identidade cultural e também para render uma justa homenagem a uma mulher que vale muito mais que os títulos honoríficos que a cidade já lhe concedeu”, definiu o jornalista, Luiz Garcia – que conduziu a conversa à época, junto de Felipe Franco.

O material foi resgatado este ano.  Luiz Garcia lançou o podcast “Nossa Gente” e Alcina de Oliveira Figueredo marcou o lançamento do primeiro podcast, dia 17 de novembro. A entrevista poder ser ouvida no canal da Fundação Cultural de Balneário de Piçarras no YouTube.

“Trabalhei na prefeitura dez anos no Mobral, e 14 anos com os prefeitos, aí como funcionária. Então, nesse ínterim, a gente criou muita coisa. Na gestão do Colzani, de 1980 até 1986, quando houve aquele esticamento de gestão, nós fizemos 80 e poucos cursos, foi uma época de estender a educação e cultura. A gente trouxe o Senac. Eu entrava no gabinete do Colzani e ele dizia: “Meu Deus, o que será que esta velha vem propor hoje?” Mas ele não deixava de me atender”, disse Alcina, a época. Dona Alcina deixa cinco filhos (o sexto filho é falecido), 15 netos, 24 bisnetos e um tataraneto.

Foto por: FELIPE FRANCO, ARQUIVO JORNAL DO COMÉRCIO

Confira também
as seguintes matérias recomendads para você